Voltar
Piodermite Bacteriana Canina

27/02/2016

Piodermite Bacteriana Canina

 

Piodermite (pio=pús) é um termo genérico dado a determinadas infecções bacterianas de pele, sendo  uma das doenças dermatológicas mais comuns nos cães.

A pele normal possui bactérias que vivem em simbiose com o hospedeiro, ou seja, sem causar danos a sua saúde.  O tipo de bactéria presente pode variar de acordo com diferentes ambientes cutâneos, que são afetados por fatores como calor, pH, salinidade, umidades, nível de ácidos graxos. Elas são de certa forma benéficas ao seu hospedeiro, pois inibem o crescimento de microrganismos invasores com maior grau de patogenicidade (que cause maiores danos).

Por diversos motivos, estas bactérias normais da microbiota podem se reproduzir em excesso, causando problemas aos animais. De acordo com a causa que leva a esta superpopulação, classificamos as piodermites como:

  • primárias: origem idiopática (sem causa de base), anatômica ou defeitos imunológicos primários
  • secundárias: se desenvolve em consequência a uma causa de base, que pode ser:

Ainda podemos classificar as piodermites de acordo com a profundidade da lesão:

  • superficial:  envolvem epiderme e o epitélio  folicular, incluem o impetigo, piodermite mucocutânea, foliculite bacteriana superficial e a dermatofilose.
  • profunda: são infecções mais sérias que envolvem camadas mais profundas da pele, invadem a derme podendo acometer o tecido subcutâneo, podem induzir a sinais sistêmicos de doença. Entre as apresentações clínicas está a furunculose, a celulite, paniculite, entre as doenças está a foliculite, furunculose e celulite do Pastor Alemão e do Bull Terrier, furunculose podal (pés), foliculite e furunculose do focinho, abscessos subcutâneos etc.

E sua localização anatômica: 

  • piodermite mucocutânea: localizada nas margem pele/mucosa, principalmente  bordas labiais (ao redor da boca);
  • podopiodermite: confinada aos pés;
  • piodermite do calo: localizada nos calos que se formam em proeminências ósseas, principalmente cotovelos

 

Quadro de podopiodermite   

Os sinais clínicos variam muito de acordo com a localização e profundidade da lesão, podendo variar de presença de pústulas (lesões semelhantes a espinhas), pápulas(que lembram a picada de pernilongo), coceira leve a moderada, falhas na pelagem, perda de pelo generalizada, lesões ulceradas, crostosas, doloridas, edemaciadas, com presença de secreção purulenta e/ou sanguinolenta. Além da possibilidade de sinais sistêmicos em casos graves, como anorexia e febre.

Piodermite 

 

Foliculite 

Furunculose 

O diagnóstico  é feito baseado na história  e sinais clínicos, podendo ser feito uma análise do conteúdo nas pústulas e úlceras por citologia. Em casos mais graves ou recidivantes, pode ser necessário realizar uma cultura bacteriana com antibiograma. Além disso deve ser investigado a causa do problema, descartando todas as doenças primárias que podem levar ao quadro de piodermite.

O tratamento é feito principalmente com o uso de substâncias antissépticas tópicas,  que pode ser em formas de pomada, loção, spray ou xampu medicamentoso. De acordo com a gravidade do caso pode ser necessário associar o tratamento tópico a antibioticoterapia sistêmica (injetável ou via oral). A duração do tratamento varia de acordo com a gravidade do quadro e as causas predisponentes.

Portanto é importantíssimo buscar a causa de base da piodermite, pois somente controlando a origem do problema (quando possível)  que o tratamento terá sucesso, evitando recidivas ou pelo menos mantendo um controle aceitável nos quadros recidivantes, como nos quadros cuja doença de base não tem cura (hipotireoidismo, defeitos imunológicos..).

Caso se chegue a conclusão que se trata de uma piodermite primária,  o cão precisará de cuidados pro resto da vida, pois as recidivas do quadro são frequentes. Em alguns pacientes com piodermite primária, é possível tratar somente as crises caso sejam poucas durante o ano. Já pra outros animais, cuja recidiva é muito frequente ao longo dos meses, é possível ainda optar pela imunoterapia (que é o uso de vacina específica para um tipo de bactéria, de modo a evitar ou abrandar as recidivas) ou pulsoterapia (uso frequente de doses adaptadas de antibiótico).

 

 

Maricy Alexandrino - Médica Veterinária

 

Este texto é um trabalho original do Autor e é protegido pela Lei de Direitos Autorais. Qualquer uso ou reprodução deste texto depende de prévia e expressa autorização.

 

Avenida Carlos Gomes, nª 243

Zona 05, Maringá-Pr

Cep: 87015-200

Telefone: (44) 3225-7209

Horários de atendimento:

Segunda a sexta: das 09:00 ás 12:00 e das 14:00 as 18:00

Sábado: das 09:00 ás 12:00

* Para seu maior conforto damos prioridade ao atendimento com hora marcada, priorizando o seu tempo, e diminuindo o stress de seu animal pelo pouco tempo em sala de espera (exceto emergências)