Voltar
Conheça a pele do seu animal

10/02/2016

Conheça a Pele do seu Animal

A pele é o maior órgão do corpo, não em área de superfície mas em quantidade. Funciona como uma barreira que separa e protege o interior do exterior, fornecendo proteção contra lesões físicas, químicas e microbiológicas. Através de seus anexos é possível sentir frio, calor, dor, coceira bem como servir de tato pro animal reconhecer determinadas superfícies.

Este grande órgão, não é algo isolado do resto do corpo, muito pelo contrário a pele  trabalha junto com vários órgãos e através dela muitas vezes podemos perceber o que está acontecendo internamente, já que nela pode manifestar-se sintomas de problemas internos, como as doenças hormonais por exemplo. A pele, os pelos e o tecido subcutâneo em um filhote recém-nascido representam 24% de seu peso corporal. Em geral a espessura cutânea diminui  do sentido do dorso para o ventre na região do tronco. A pele é mais espessa na face, pescoço dorsal, tórax dorsal, região glútea e base da cauda. Sendo mais fina nos pavilhões auriculares e na região de axila, virilha e perianal. A espessura média da pele do corpo dos gatos é de 0,4 a 2 mm e nos cães de 0,5 a 5 mm.

A pele e a pelagem, variam em quantidade e em qualidade, entre as espécies, entre as raças e entre os indivíduos dentro de uma mesma raça, variam também de uma área pra outra do corpo e de acordo com a idade e sexo do animal. A pele é formada, da superfície ao interior, pela epiderme , os anexos epidérmicos (folículos pilosos, glândulas sebáceas e sudoriparas, unhas e coxins), derme e hipoderme. A epiderme é o envelope externo, flexível e resistente. Esta camada não é vascularizada, e é composta por diversas camadas de células e recoberta por uma membrana superficial, composta de células descamativas, de proteínas e lipídios (sebo e esteróides). A derme  é o suporte principal da pele, base conjuntiva sobre a qual se apoia a epiderme. Garante uma proteção passiva frente aos traumatismos externos. Devido a sua vascularização, garante os aportes nutritivos e hormonais, é também na derme que esta situada a função sensorial da pele. A hipoderme é um tecido conjuntivo mais solto, caracterizado  pela existência de células adiposas ricamente vascularizadas. A gordura desempenha uma função isolante,e como um meio de estocagem de energia. Esta camada conecta a pele com as estruturas subjacentes  do corpo, como músculos e ossos.

Em muitos mamíferos, há uma relação inversa  entre a espessura da epiderme e pilosidade. Um exemplo extremo é o carneiro, cuja epiderme tem cerca de 3 células de espessura e cujo estrato córneo é insignificante. Sempre que o pelame é denso e espesso, como no coelho, camundongo, cão e gato o estrato córneo é mínimo. Em muitos animais, tal como o veado, bovino, cavalo e coelhos, ele é tão frágil que não pode ser separado como uma folha. Tendo perdido a maioria dos seus pelos  a pele humana, está exposta a muitas influências nocivas ambientais. Assim a  epiderme tem se tornado muito espessa, resistente e durável, além disso ela é plástica e flexível

 

 

Principais diferentes entre a pele humana e canina

Estruturas

Cães

Humanos

pH cutâneo

7.5

5.5

Espessura de epiderme

                  3-5 camadas       

10-15 camadas

Renovação de epiderme

A cada 20 dias

A cada 28 dias

Crescimento de pelo

Por ciclos

Crescimento contínuo

Glândula sudorípara (sweat)

Ausente

Presente

 

 

 

Pêlo

Devido a natureza fibrosa e volumosa, os pelos proporcionam grande proteção  contra cortes, abrasões, dano térmico e por irradiação e irritantes químicos. E pelo também é um filtro e isolante.  Poucas substâncias, realmente entram em contato com a pele de animais peludos. Os traumatismos físicos são normalmente abrandados antes que atinjam a superfície cutânea. O folículo piloso é uma invaginação da epiderme, que gera o pelo a partir de uma matriz, o bulbo. Nos carnívoros, os folículos são agrupados em três:

  • 1 folículo principal, contendo pelo principal ou pelo duro
  • 2 folículos primários laterais, gerando as barbas (pelos secundários ou tátil)
  • sendo este trio, envolto por cerca de 15 folículos secundários que formam uma penugem

Em gatos os pelos secundários são muito mais numerosos que os pelos primários  (10:1 dorsalmente 24:1 ventralmente)

Os pelos dos gatos foram divididos em três tipos com base no aspecto macroscópico:

  • Pelos protetores, de cobertura ou duros (pelos primários): longos, espessos, retos, pigmentados. Abundantes nas partes superiores do corpo.
  • Pelos do manto: são mais finos, também possui função protetora, com extremidade curva, teminando em ponta
  • Sub pelos ou pelos inferiores: os mais finos de todos. Regularmente crespos e ondulados, muito densos tendo função de isolamento térmico
  • Pelos tateis e bigodes: são grossos feixes de pelo que crescem acima dos lábios junto as narinas dos gatos e cães, são muito sensíveis  ao toque. Encontrados principalmente no focinho, estão ligados a células nervosas e possuem função sensorial.

 

Em geral, a forma da haste do pêlo é determinada pela forma do folículo piloso, com folículos retos produzindo pêlos retos e folículos encaracolados produzindo pelos encaracolados. Quase nunca se formam novos folículos após o nascimento.

A pelagem modifica-se a medida que o mamífero cresce, e a do adulto quase sempre difere de modo acentuado  daquela do jovem, refletindo necessidades distintas para regulação térmica, camuflagem, comunicação sexual e social.

O crescimento do pelo é cíclico. Cada ciclo comporta três grandes fases: anágena, catágena e telógena. A fase anágena é a fase de crescimento  que gera, aproximadamente 0,3 mm de pelo por dia para os pelos duros. A fase catágena é intermediária antes da fase telógena de repouso. A fase telógena  é a de maior duração, principalmente no inverno. O crecimento agrupado na fase anágena é observado em certos períodos do ano: são as mudas sazonais, cujo controle é baseado essencialmente num ciclo dia/noite.

A atividade cíclica dos foliculos pilosos e a muda periódica dos pelos fornecem um mecanismo pelo qual a pelagem pode adptar-se a mudanças sazonais da temperatura ou circunstâncias ambientais O ciclo do pelo, e portanto da pelagem, é controlado pelo fotoperíodo, temperatura ambiente, nutrição, hormônios, estado de saúde, genética e outros fatores. O pelo cresce até que atinja o comprimento pré determinado, que varia de acordo com a região do corpo e é definido geneticamente, então entra na fase de repouso, que pode durar muito tempo. Cada área possui seu próprio crescimento de pelo, além do qual o crescimento não mais continua. Tendo em vista que o pelo é predominantemente proteína, a nutrição possui efeito profundo em sua quantidade e qualidade. A má nutrição pode produzir  uma pelagem baça, seca, frágil ou fina, com ou sem distúrbios de pigmentação.

As glândulas sebáceas estão associadas ao folículo piloso. Sua secreção é essencialmente lipídica o que contribui para a formação da pelicula cutânea. As glândulas sebáceas tendem a ser maiores nas áreas onde a densidade dos foliculos pilosos é menor. Elas são maiores e mais numerosas perto das junções mucocutâneas, entre os dedos (interdigital), fasce dorsal do pescoço, queixo e face dorsal da cauda. As glândulas sebáceas não são encontradas nos coxins e plano nasal.

A secreção oleosa (sebo)  produzida pelas glândulas sebáceas tende a conservar a pele mole e flexível , formando uma emulsão que se espalha pela superfície do estrato córneo, para manter a umidade, mantendo assim a hidratação adequada. Ao se espalhar  pelas hastes dos pelos, lhe confere brilho.

Existem dois tipos de glândulas sudoríparas: as glândulas apócrinas  que desenbocam no canal pilar, e as écrinas aderindo diretamente a pele. Nos carnívoros, as glândulas écrinas são limitadas aos coxins (almofadas) plantares. Sua função pode estar ligada a maior aderência dos coxins. As glândulas apócrinas estão  distribuidas  ao longo de toda a superfície corporal, fabricando um líquido alcalino, rico em proteínas, mas seu débito é mínimo, variando muito pouco em função da temperatura corporal.

Em algumas zonas as glândulas produzem substâncias especiais que desempenham uma grande função na delimitação do território e nas suas relações sociais. Entre elas podemos citar as glândulas perianais (circum-anais), as glândulas do conduto auditivo externo, os sacos anais e a glândula da cauda. No gato encontramos glândulas especiais na face, na região das bochechas

Um curiosidade interessante é que estudos demonstraram através de análise das marcas da superfície do focinho e do nariz, que há diferenças individuais, geneticamente determinadas, semelhante as impressões digitais humanas.

 

Maricy Alexandrino - Médica Veterinária

©Este texto é um trabalho original do Autor e é protegido pela Lei de Direitos Autorais. Qualquer uso ou reprodução deste texto depende de prévia e expressa autorização.

 

Referências Bibliográficas:

ETTINGER, S.J.; FEELDMAN, E.C.; Tratado de Medicina Interna Veterinária, 5º ed. Vol. 1, Rio de Janeiro: Guanabara, 2004.

CARLOTTI, D. C.; HALLIWELL, R.; Didatic Atlas on Canine Dermatosis Virbac, www.virbacderm.com

SCOTT, D.W.; MULLER, W.H.; GRIFFIN, C.E.; Muller & Kirk, Dermatologia de Pequenos Animais, 5º ed. Rio de Janeiro: Interlivros, 1996

SWENSON, M.J.; REECE, W.; Dukes, Fisiologia dos Animais Domésticos, 11º ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1996.

Enciclopédia  do  Gato Royal Canin, 1ºed.  Paris: Aniwa SA, 2001

 

 

Avenida Carlos Gomes, nª 243

Zona 05, Maringá-Pr

Cep: 87015-200

Telefone: (44) 3225-7209

Horários de atendimento:

Segunda a sexta: das 09:00 ás 12:00 e das 14:00 as 18:00

Sábado: das 09:00 ás 12:00

* Para seu maior conforto damos prioridade ao atendimento com hora marcada, priorizando o seu tempo, e diminuindo o stress de seu animal pelo pouco tempo em sala de espera (exceto emergências)