Voltar
Lipidose Hepática Felina

17/05/2016

Lipidose Hepática felina

 

A lipidose hepática ou fígado gorduroso, é uma síndrome comum caracterizada pelo excesso de gordura acumulada no fígado dos gatos. Em animais sadios é mantido um equilíbrio entre a mobilização de lipídio (gordura) para o fígado a partir de fontes alimentares ou outros processos metabólicos, como jejum ou neo-síntese, e a remoção de lipídio do fígado por oxidação mitocondrial  ou transporte do fígado  para outros tecidos, na forma de lipoproteínas de muito baixa densidade. O uso da gordura pelo organismo é regulada por relações complexas entre a concentração sanguínea de glicose e fatores nutricionais, hormonais e neurais. De forma resumida, ocorre um desequilíbrio entre a chegada e a saída de lipídios  dentro dos hepatócitos (células do fígado) devido a vários mecanismos diferentes, gerando o acúmulo de gordura. Os gatos são únicos em sua tendência a desenvolver este distúrbio.

A maioria dos gatos acometidos tem mais de 2 anos de idade, sendo comumente obesos, vivem dentro de casa, e provavelmente tenham sofrido algum evento estressante recente. Gerando uma anorexia completa durando de dias a semanas. Quando um estado patológico adicional é encontrado como a causa da anorexia, a lipidose hepática é definida como "secundária" . O termo lipidose hepática "primária" ou idiopática  é usado quando um estado patológico não pode ser identificado, este é o caso de cerca de 50%  dos gatos diagnosticados com o distúrbio.

A perda de apetite, que causa a lipidose hepática secundária pode ocorrer por várias  razões. As mais comuns são estados patológicos  predisponentes, como diabetes melito, pancreatite (inflamação do pâncreas), câncer, doença cardíaca, doença neurológica, peritonite infecciosa (PIF), doença renal crônica e outras doenças do fígado.

Causas de anorexias comportamentais ou relacionadas  ao estresse também são comuns: férias dos proprietários, mudança de algum membro da família, novas pessoas ou animais na casa, viagem e mudança na dieta.  Infelizmente uma vez que a doença se desenvolve,  os gatos sentem-se doentes e podem não recomeçar a comer mesmo que a causa inicial de sua perda de apetite tenha sido eliminada. Sem intervenção clinica rigorosa este círculo vicioso pode levar a morte em mais de 90% dos gatos.

Os sintomas comumente observados com esta síndrome são: anorexia, perda de peso, letargia, vômito, icterícia (coloração amarelada na pele, dentro das orelhas e das gengivas) e ocasionalmente sinais comportamentais ou neurológicos como salivação excessiva, cegueira, semicoma ou coma e convulsões.  A suspeita de que o gato está sofrendo de doença hepática  é confirmada pelo exame físico  e por alterações nos valores de hemograma e bioquímicos de função hepática, como FA e ALT. Radiografia ou ultrassonografia do abdômen, são úteis para demonstrar o tamanho e aparência do fígado, bem como para descartar outras doenças abdominais. O diagnóstico definitivo da lipidose hepática requer  visão dos glóbulos de gordura nas células hepáticas obtidas pela biópsia do fígado ou pelo aspirado por agulha fina. Qualquer gato anoréxico, principalmente  se for obeso deve ser observado por um veterinário, desta maneira o desenvolvimento  da lipidose hepática pode ser percebido em estado precoce ou evitado  inteiramente com terapias apropriadas.

O tratamento da lipidose hepática  varia dependendo da sua gravidade e da existência de outras doenças, sendo a prevenção extremamente importante. Hospitalização, fluidoterapia e cuidados de suporte podem ser necessários  inicialmente quando a doença se desenvolve, além de terapia adicional com antibióticos, vitamina K e o tratamento de doenças concomitantes. A base da terapia, e única maneira  de reverter o processo de acúmulo de gordura no fígado, é uma alimentação rigorosa para fornecer ao gato todas suas necessidades calóricas. Oferecer diferentes dietas e medicações que estimulem o apetite pode induzir o gato a comer na fase inicial, mas pode não ser benéfico nos casos onde  os sinais clínicos da lipidose tenham se desenvolvido. É preferível sempre tentar manter um comportamento fisiológico no animal, que seria  a ingestão oral de alimento, que pode ser feito através de estimulantes de apetite, anti-eméticos e fornecimento de dietas diferentes com cheiros e sabores atrativos ao animal. Porém a alimentação forçada  geralmente não é uma boa opção  mesmo com o gato mais cooperativo, pois os gatos parecem desenvolver aversão a alimentos rapidamente,  e a associação entre o alimento  e a experiência desagradável, pode fazer com que o gato demore mais ainda a voltar comer.  Por esta razão na fase clínica da doença uma opção  segura de tratamento é a alimentação por sonda (nasogástrica, esofágica ou gástrica). O uso de alimentação por sonda a longo prazo modificou o resultado da doença de mais de 90% de mortalidade para menos  de 30%.

 Gatinha com sonda esofágica 

Uma dieta de manutenção comercialmente disponível (dietas terapêuticas específicas, com alta umidade e consistência pastosa a semi-líquida em lata ou sachet) é usada para maioria dos gatos, ela deve ter níveis adequados de proteína (16-19%) com alto valor energético, e deve ser administrados em quantidades adequadas a cada paciente através de cálculos específicos feitos pelo veterinário. A sonda só é removida do animal, quando ele voltar a comer espontaneamente, o que pode levar de  semanas. Os valores dos exames de função hepática em geral melhoram dentro de 2 a 8 semanas após o início da alimentação.

Fase de recuperação: incentivar a alimentação oral, mesmo sondada 

Retorno a alimentação, melhora dos sinais clínicos 

 

Para se evitar a lipidose é importante: 

  • manter o gato dentro de uma faixa de peso adequada para seu porte e idade
  • ter sempre opções de alimentos que seu gato goste. Manter a ração como dieta base mas sempre ter uma segunda opção de sabor de ração, bem como petiscos prediletos, para que num momento de diminuição de apetite estes petiscos possam ser oferecidos. Leite, requeijão, saches e latinhas com ração úmida de vários sabores, atum e sardinha (sem óleo e com mínimo sal possível) são algumas opções de alimentos que podem ser oferecidos rotineiramente ao gato como forma de agrado e opção de alimento palatável
  • nunca faça mudança brusca de ração do seu gato. Esta espécie, diferente do cão, prefere passar fome a se render a uma ração que ele não goste. A adaptação de uma nova ração deve ser de forma gradual e leva em média 7 dias. Caso o gato não goste do novo alimento, não insista! Volte ao antigo, ou mude de opção.
  •  
  • tente não mudar os potes de ração de local, ele pode estranhar. E caso precise mudá-los, nunca os coloque perto de coisas barulhentas, como máquina de lavar roupas, lavadora de louças..
  • caso precise viajar e resolva deixar o gato em casa sob cuidados de alguém, deixe uma peça de roupa com seu cheiro, debaixo dos potes de comida e no local onde ele costuma dormir.
  • se resolver  adotar um novo animal, faça adaptação lenta e progressiva, evitando estress
  • ao menor sinal de alteração de comportamento do gato, procure imediatamente o veterinário, para que a causa do problema seja o mais rápido possível identificada e tratada.
  • para gatos acima dos 8 anos de idade, é importante realização de check-ups anuais ou semestrais, que incluem: exame físico, hemograma, bioquímico para função renal, função hepática e urinálise, para que problemas comuns a fase idosa, possam ser diagnosticados de forma precoce.

           

Maricy Alexandrino – Médica Veterinária

Este texto é um trabalho original do Autor e é protegido pela Lei de Direitos Autorais. Qualquer uso ou reprodução deste texto depende de prévia e expressa autorização.

 

Referências Bibliográficas

AMORIM, F.V.; Lipidose Hepática, In: Apostila do Curso de Pós-Graduação Latu Sensu em Clínica Médica de Pequenos Animais EQUALIS, Curitiba, 2005

ETTINGER, S.J.; FEELDMAN, E.C.; Tratado de Medicina Interna Veterinária, 5º ed. Vol. 2, Rio de Janeiro: Guanabara, 2004.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G.;  Medicina Interna de Pequenos Animais, 2º ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2001

 

Avenida Carlos Gomes, nª 243

Zona 05, Maringá-Pr

Cep: 87015-200

Telefone: (44) 3225-7209

Horários de atendimento:

Segunda a sexta: das 09:00 ás 12:00 e das 14:00 as 18:00

Sábado: das 09:00 ás 12:00

* Para seu maior conforto damos prioridade ao atendimento com hora marcada, priorizando o seu tempo, e diminuindo o stress de seu animal pelo pouco tempo em sala de espera (exceto emergências)